junho 15, 2011

Nada

Esvaziei.

Não gosto de luz besta

Que não me devolve a intensidade dos azuis e vermelhos

Quero o mel nos olhos e o melado na boca

E as estradas longas impercorríveis

Quero minhas gargalhadas de volta

As borboletas no estômago

E até a metralhadora

Quero os 12, os 30 e muito mais

E a escada de 1000 degraus que levava ao paradaise

Que eu podia até subir de bicicleta

Sem precisar respirar e nem perceber o que caía no caminho

Como se fosse não fosse um diamante falso

Tem cura, doutor de chapéu de pirata?

Só trocando os fornecedores. De oxigênio.

E até os devaneios voltarem a ferver

Vaca amarela.

12 comentários:

Celine Ramos disse...

suas letrinhas brancas pularam no preto desse texto. \Queira tudo e tenha mais ainda. Mais que isso nos olhos.

A1 disse...

É vaca amarela pra gente tbem?

Etienne CWB disse...

Sabei-me Deus como vim parar no teu blog. Mas parabéns, show-de-bola! Muito bom!
bjs

Chorik disse...

Como dizem mesmo? Vida loka? ;)

Krikoland disse...

É, to achando que vacamarelou geral mesmo. Patiii? Lordeeee???

krikoland disse...

uia abandono geral mesmo. credo.

A1 disse...

Não acabou ainda a quarentena da vaca amarela?

A1 disse...

Blog desativado mesmo, Pat? Volta vai

Dona Sra. Urtigão disse...

Puxa ! Estava revisitando a mim mesma em meu blog e senti saudades , vim passear por aqui. Pena que parou, sei, um intervalo. Mas vou passear por aqui, pelo passado.

Chorik disse...

Até entendo, Patty, mas deu vontade de ti e vim te reler. Saudades dos shows e dos lugares que só fui graças a este blog.
Bj

Pedro disse...

Eu também, Chorik

Sara disse...

como é bonito para escrever essas coisas, de qualquer maneira eu acho que é preciso ter energia bastante descontraído para fazer isso, eu acho que você sempre tem a possibilidade de fazê-lo, então você tem que viajar para relaxar e eu vou fazer se consigo Aluguel apartamentos buenos aires